08 março 2017

Dia internacional da Hipocrisia


Cometi o erro infeliz de sair na rua hoje e também de abrir as redes sociais. Em cada loja que passei um "parabéns pelo seu dia". Agora vejam só...1 dia dedicado a homenagear mulheres. As mesmas mulheres que são chamadas de putas, piranhas, safadas, vadias, quando são livres e dão para quem querem. Quando "escolhem demais". Quando o calor é intenso e o corpo fica a mostra. Quando tem opinião "demais". Quando não concordam em receber cantada nojenta ou fiu fiu andando na rua. As mesmas mulheres que são assediadas diariamente no transporte público, no trabalho, e se calam. As mesmas que ouvem piada sobre o lugar delas ser na cozinha pilotando fogão. Sobre serem ruins no volante por serem mulheres. As mesmas que tem música chamando de burra por causa da cor do cabelo. As mesmas mulheres que são forçadas a se encaixar num padrão "porn star" pra agradar homem. As mesmas que são divididas entre "pra casar"e "pra arregaçar". As mesmas que são culpabilizadas pelo próprio estupro. Mesmo quando é 1 vítima contra 33 estupradores. Pensa bem...é a gente que é chata pra caralho e cheia de mimimi, ou é o machismo nosso de cada dia que não permite que a gente sorria com esse "parabéns" vazio?! Eu não esperava nada mais dos homens hoje, do que silêncio, reflexão e conscientização. Mas não. Foi uma onda de reclamações sem fim sobre os posts feministas de conscientização. Nada de novo sob o Sol... homens reclamando das mulheres no dia "delas". Mas né?! Se já fazem isso tuuuudo que eu disse (e muito mais), nos outros 364 dias do ano, pq hoje seria diferente, não é mesmo? u.u Melhorem. Antes de nos dar parabéns, nos dêem respeito. Grata.

24 maio 2016

Quem você pensa que é queridinha?


As pessoas que me conhecem (de verdade), sabem que eu só sou "fresca" na aparência. Porque na real, eu sou aquela mulher que chega arrumadona, toda emperequetada, mas que senta no chão, dá gargalhada, fala alto, sem papas na língua, que adora cerveja, fala palavrão, tem 7 tatuagens e não tem pudor pra dizer o que pensa. E ser mãe dentro dessa sociedade preconceituosa é FODA. Principalmente quando você é solteira. Das frases recorrentes, estão entre elas: "Mas tão bonita e solteira...";  "Como assim você não é casada?"; "Nossa, não sei como você consegue com esse monte (leia-se 2) de filhos"; "Você não tem medo que sua filha imite seu comportamento?"; 

Maaaaana do céu! Vamos conversar? Porque olha bem...ninguém se preocupa se meu filho vai "imitar meu comportamento". Sabe pq não? Pq a gente tá tão condicionado a aceitar que tudo que homem faz é ok, que isso ficou completamente natural. E isso é uma grande merda. 
Eu me ferro de verde e amarelo e todas as cores da escala PANTONE pra sustentar e educar meus filhos, tentando ensinar eles a serem livres pra serem quem eles quiserem ser, e vem a sociedade fodona cagadora de regras me dizer que "mulher bonita tem q ter um ômi", e que é o armagedon eu ser solteira com esse "monte" de filhos (novamente, são só dois; e cuidar deles "sozinha") e deixar subentendido que eu sou um mau exemplo pra minha filha, que teoricamente é esperada ser "bela, recatada e do lar". 

Bom, pra começar, o mais absurdo disso tudo, é realmente toda essa cobrança em cima da mulher. É um absurdo eu cuidar dos meus filhos sozinha? Sim. Mas é lógico que todo mundo já subentende que a culpa é da mulher, claro."Deve estar solteira pq é assim, é assado".  Não ocorreu a ninguém que é uma escolha? Que as decepções me trouxeram até aqui? Eu me recuso a estar em um relacionamento só pra dizer pra sociedade que eu não sou uma coitada. Eu me amo pra caralho, e a sua opinião não altera em nada quem eu realmente sou. E olha, se os respectivos pais dos meus filhos não estão ativamente presentes, isso é responsabilidade deles, ok?!... Alguém se importa com isso? Aparentemente não. Só com os meus "modos" e a forma como eu vivo a minha vida. Agora, vir aqui em casa se oferecer pra limpar um chão, lavar uma louça, trocar uma fralda ninguém quer, né?! 

Alice fez aniversário dia 13/05 e surpreendentemente (sqn) ganhou 2 conjuntos de panelinhas e boneca das mães de menino. Coincidência ou não, as mães de meninas deram livros, jogos interativos e uma moto pra boneca com ferramentas (ai meu coraçaum). Mas minha filha não decepciona... Hoje de manhã ela estava brincando com os jogos de panelinha e utensilios de cozinha. Maaaaaas, ela estava usando para fingir que eram instrumentos cirúrgicos. Ha! Porra galere, estamos no século XXI...já passou da hora de entender que constituição de família, compreende um grupo de pessoas que convivem entre si, se amam e fazer o possível pra que não falte nada uns aos outros. E olha, nada contra panelinhas e bonecas, mas pq só nossas meninas brincam disso? Eu tenho um amigo, que quando era pequeno, todo mundo chamava de N adjetivos pejorativos por ser feminino. Ele andava com as meninas e queria brincar de boneca e casinha. Sabe o que a mãe dele fazia? Apoiava, dava amor e comprava as casinhas! (loooove) Sabe oq é isso? Amor. Vamos derrubar esse tabu, vamos? Théo vai brincar do que quiser, e Alice tb! E só pra constar, um homem na minha vida não mudaria isso, ok? 

Esse desfile de preconceitos é puxado de lidar, viu?! E se minha filha "imitar" meus "modos" eu vou ter é orgulho pra kct!! Levem seus comportamentos cheios de preconceito pra lá! Grata.


16 março 2016

Adeus Estocolmo...


Pra ouvir lendo: http://bit.ly/1nPrmbP

Eu fico me perguntando como essa síndrome de cachorro abandonado acontece... em que momento do "eu não te amo" e o "eu não quero estar com você", a porcaria do coração entende "fique loucamente obsecado por esse ser humano"... Mas depois de algumas boas porradas da vida, a gente começa a enxergar as prioridades e acordar. O que era importante, vai aos poucos deixando de ser. Como dizem por aí: "Quem muito se ausenta, uma hora deixa de fazer falta". E olha, deixa mesmo...
A gente começa a entender que o melhor pra gente, nem sempre é o que a gente quer. E eu posso dizer que estou me curando... Só se vê a cicatriz. Mas o tempo vai passar, e ela vai sumir...Eventualmente. E eu sei, que quando eu me curar, você vai mudar de idéia. Mas dessa vez, eu te juro, que vai ser tarde demais. Baby, I'm sorry, but you had your chance. 

*Síndrome de Estocolmo: é o nome normalmente dado a um estado psicológico particular em que uma pessoa, submetida a um tempo prolongado de intimidação, passa a ter simpatia e até mesmo sentimento de amor ou amizade perante o seu agressor.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...