10 dezembro 2013

Gorda e ponto.


Quem acompanha o blog, sabe um pouco de como eu engordei e de como eu me sinto em relação a isso. Mas vou repetir, porque vai que tem gente nova por aqui, né?! rs O negócio é o seguinte. Bem resumidamente falando, eu sempre fui magra. Não daquelas palitos, mas daquelas mocinhas sem barriga, peito normal, coxas grossas e bundão. Durante a gravidez da Alice, eu cheguei a pesar 120kg!!! E eu nem preciso dizer o quanto isso foi desconfortável pra mim, né?! Seja em termos psicológicos ou físícos mesmo. Meu corpo não tava habituado a isso, e eu sofri. E com esse sofrimento veio a depressão. Mas se tem uma coisa que sempre ficou muito clara pra mim é: "Ninna, você não é mais "magra". E não é que eu tentasse me esconder debaixo de roupas largas nem nada... É só que eu me sentia mais confortável assim. Eu enfiei o pé na jaca violentamente na gravidez. Comia mtaaaaaaaaaaaa porcaria deliciosa huehuehe Mas depois que ela nasceu, comecei a correr atrás do prejuízo. Recuperei boa parte da minha auto estima, embora a depressão fosse uma coisa quase tangível na minha vida, de tão real. 

Não sei em que ponto disso tudo me dei conta que não podia continuar me escondendo em "sacos de batata" e nem usar as roupas que eu usava antes. Mas comecei a me encontrar depois desse momento eureka. E pesquisei, garimpei e até encontrei peças boas. Mas caras, muuuuito caras. Questionada sobre o valor exorbitante da roupa tamanho plus size, a responsável de uma das marcas respondeu: "Taxamos de acordo com a quantidade de material empregado na confecção das mesmas". Desculpa aí, moça, mas pra responder isso, nem precisava falar nada. 

E no meio do caminho encontrei outras gordinhas também. Que falam sobre o assunto e indicam coisas bacanas desse universo paralelo social. Digo isso porque sinceramente, me sinto quase marginalizada pela sociedade por causa do meu peso. É ridícula a pressão sobre as nossas vidas. Mas o que mais me impressionou foi que, muuuitas dessas gordinhas que levantam a bandeira plus size, se vestem com roupas de gente magra. "Mas Ninna, do que diabos você tá falando? Tem isso é? Roupa de gordo, de magro...?" 
Cara, tem. Porque convenhamos, pode estar na moda, mas não cai bem em todo mundo. Sabe pq?? Pq cada corpo tem suas particularidades que precisam ser respeitadas na hora de escolher uma roupa. Eu gorda e de coxa grossa vou me enfiar num shortinho? Ah va! Acho chato isso de querer se enfiar em roupas da moda que nem caem bem em gordas, só pra dizer: "ooooolha, gorda tb pode ser fashion". Que chato. Sério. Me atirem pedras se quiserem, mas pra mim isso é levantar bandeira contra! PAREM de copiar as blogueiras/celebridades/qualquer merda q consiga 100 likes numa foto no facebook!!! huehuehue Sejam vocês! Encontre seu estilo, pesquise o que cai bem no seu corpo e o que não. Não seja uma vítima! Acorda gordinha! E um adendo importantíssimo. Você aí que não tá feliz com o seu corpo, sempre é tempo de mudar. Mas seja consciente! Se você quer emagrecer, não caia na furada das dietas doidas ou de parar de comer, ok? Procure um médico! Peça ajuda! beijinhoos

p.s. fato assustador: na busca de uma imagem pra ilustrar o post, me assustei com a quantidade de bullying virtual. Vi tb o resultado devastador disso...fotos de meninas normais, se punindo por se acharem gordas!! Peles cravadas com as palavras "fat", "liar" (gorda; mentirosa, em inglês) com sangue... muito assustador. 

10 comentários:

  1. É isso acontece muito por aí mesmo, eu parei de me importar se falam alguma coisa, eu não sou uma pessoa gorda, mas também não sou magra e já falaram desse fato e eu já fiquei muito estressada com isso... Agora não me importo mais, eu continuo assim e se eu emagrecer vai ser porque eu quero e quando eu quiser!

    http://my-little-candy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu estou no meu peso certo, mas não estou satisfeita com o meu corpo,
    só que ainda não consegui fazer nada pra melhorar T.T
    Gostei do post, sem papas na língua, falou tudo, nem tudo cai bem em gordinha,
    tanto quanto nem tudo cai bem em magrinha, ou alta, ou baixa, tem que escolher o certo ;p
    Beijo Nina!

    ResponderExcluir
  3. Nunca fui do tipo, magra, confesso que esses anos mudei muito. E por mais que digam que o mundo da moda está mudando, pelo menos no meu mundo ainda não. Pois desde de sempre, só vejo tudo voltado para quem é magra/o. Os homens gordos também sofrem, mas ainda sim, vejo que eles são um grupo que mesmo sendo gordos, em lojas encontram roupas, já as mulheres, pelo menos na minha cidade, há uma loja própria para elas, com o nome " Tamanho Grande", ai começa a falta de carinho, olha só o nome! Sei que devo mudar, e vou, mas vou melhorar por mim, minha saúde, não por causa dessa sociedade careta que encontra alegria em ser super magra.

    Tu é linda Nina, eu sou, e todas nós somos. ♥

    ResponderExcluir
  4. eu nunca achei que o corpo pudesse muar drasticamente, mas de magrela palito que sempre fui,começo a engordar de uma forma que estou até estranhando.

    mas sou como vc,não ligo tanto. quer dizer, não ao ponto de deixar de comer o que gosto.

    E sabe? tbm acho que tem coisas que não ficam legais em algumas pessoas. Quer dizer, eu não tinha quase nada de peito, e não gostava de decote, porque me sentia um esqueleto ambulante. hehehe acho que é bom senso né? se sentir bem e talz.

    enfim, no fim, o certo mesmo é se sentir bem com o que se veste.

    ResponderExcluir
  5. Eu sempre fui um palitinho ambulante, mas palito mesmo, do tipo que tem 1,76cm de altura e pesava 45kg. Depois, com a depressão e a síndrome do pânico, eu passei a descontar todo tipo de medo, frustração e arrependimento na comida. O resultado não deu outro: engordei até chegar aos 100kg, o que me deixou mais deprimida ainda.
    Por um tempo, foi tortuoso aceitar que aquela era a realidade do meu corpo. Não havia roupa que ficasse bem em mim e eu me sentia uma criminosa sempre que ia comprar uma calça 48. Era visível o olhar de desprezo das mocinhas vendedoras (quase todas magras) e risinho de canto de boca quando diziam: "não temos o seu número. Desculpe".
    Hoje, não peso mais 100kg, graças a Deus, mas também não peso 45. Estou estacionada nos 77, quase 78, mas convivo numa boa com isso. Aprendi a conhecer o meu corpo e aceitar os limites. Não sofro mais quando gosto muito de uma roupa e ela não cabe. Isso despertou meu olhar clínico e me fez perceber que nem tudo que é bonito fica bonito em mim. Beleza a qualquer custo geralmente é um preço bastante caro. Preço que eu não quero e não tenho condições de pagar. ;)
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Sempre fui magra, sofria muito na escola com isso, não queria nem fazer educação física pra não ter q usar bermuda, e tinha amigas que eram gordas e tb sofriam muito. Ninguém tá satisfeito por completo, por isso resolvi faz tempo assumir minha magreza, vou fazer o quê?


    http://maeaocubo.com.br

    ResponderExcluir
  7. A população está tão doente por esses e outros fatores... Sim temos que cuidar da saúde, isso é fato... Porém são milhões de pessoas obesas, magras e com corpos esculturais que morrem a cada ano por conceitos errados sobre alimentação, remédios e usos indevidos de produtos. Essas são as falsas crenças sobre a saúde.

    Quanto à questão das dietas, você disse certo. Pode ver que muitas pessoas que fazem dietas, sentem fome e engordam tudo novamente. Podem encontrar os ditos melhores endócrinos e especialistas, eu sou testemunha. Dietas e mais dietas não valem nada, é bom sim para enganar os bobos.

    Enquanto a indústria começou a cortar a quantidade de gordura nos alimentos e começou a deixá-los mais doces para compensar e, também, a substituir as gorduras saturadas de fonte animal, que sempre fizeram parte da dieta humana desde os tempos remotos (épocas dos Incas, gregos, Cristo, egípcios e etc.) substituíram também por óleos modificados (poliinsaturados e gorduras trans), as estatísticas de doenças cardíacas só vem aumentando!

    Tudo que é industrializado faz mal e muito mal! Muitas pessoas não sabem o que contém dentro dos sucos não naturais, dos cremes de leite, dos molhos de tomates, dos biscoitos, das torradas lights, das geléias, dos óleos poliinsaturados, dos refrigerantes e muitas outras alimentações criadas para produzirem e venderem mais e mais mentiras...

    Enfim, eu estou aqui para ajudar, pois estou atingindo a minha boa forma física graças às leituras e estudos científicos. Qualquer coisa falem comigo e converso numa boa.

    Agora a questão das roupas, é algo particular. Cada um tem a sua opinião, se vestem como quer. Algumas vão além da exorbitância é verdade. Eu particularmente também acho estranho pessoas obesas usarem shorts curtos, como também acho estranho pessoas magras e com corpos esculturais usarem micros vestidos; a não ser no carnaval, em festas da Playboy e revistas sensuais.

    Parabéns Nina pelo Site. Adorei!

    ResponderExcluir
  8. Oi Ninna, amei suas palavras e tenho o mesmo pensamento que você.

    Estou acima do peso (15 quilos), às vezes me sinto mal com os excessos, só que jamais vou deixar de comer alguma coisa por causa de dietas ou RA. Meu pai era um homem com peso normal, e em sei leito de morte (esquelético), pediu comer melancia e não conseguiu, algo tão simples, que me chocou... A partir deste dia, nunca mais deixei de comer o que gosto. Como em quantidade pequena, não atolo o jumento rs, sei me controlar...

    Quanto às roupas, primeiramente antes de usar a tão desejada calça jeans (provo umas 10 porque os modelos variam conforme o tamanho) tenho que mandar fazer a barra. Só fazem calça para mulheres de 1,90 e as nanicas, gordinhas ou caturrinha, como me considero, se ferram...

    Ser saudável é ser feliz. Nunca fui noiada com alimentação - graças a Deus! Amo legumes, verduras, frutas, como todos os dias, mas também adoro um pedaço de bolo de chocolate uma vez por semana, uns pães de queijo com café numa tarde de sábado e um chopp bem geladinho no sábado à noite...

    Beijo!

    Ah, gostaria de saber se faz personalização de blogs. Gostaria de mudar a cara do Eu mema, ter uma identidade visual, algo minha cara.
    Me escreva: eueumesmagabrielle@gmail.com

    ResponderExcluir
  9. Eu percebi uma época que as pessoas mais cobravam de mim do que eu mesma. Ser barrigudinha é mais problema pros outros que para mim. Eu prefiro comer o que quiser, as pessoas acham que eu tenho que ir para academia "pq sou jovem". Eu tenho é que ser feliz, isso sim, rs. ótimo post, Nina!

    Um beijo,
    Re

    ResponderExcluir
  10. Nina, como sempre, suas palavras me tocaram e conseguiu chegar lá no meu ponto fraco, "estética". Nunca fui corpo modelo, meu namorado agora veio me ver esses dias e eu estava morrendo de vergonha dele, eu acho que engordei e tudo mais. Porém, acho que quem me deu a maior força foi o B (meu namorado), quando escutamos de quem amamos e quem nos ama de verdade falar que "Você está linda desse jeitinho" acho que melhorou muita coisa, mas sabemos que não é tudo o que precisamos.

    Força de vontade, alguém lhe apoiando, você consegue e eu sei que você consegue sua linda, você realmente é muito linda e vai continuar sendo, você vai ver.

    http://trezedigitos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

|||||| URBANO CHIC ||||||

Deixe seu comentário...ficarei feliz!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...